Filho de brasileiros fala sobre carreira escolar e diz que pode entrar na política em Leominster (MA)

Quando se matriculou como aluno na Priest Street School, em Leominster (Massachusetts), John Sposito só sabia dizer uma palavra em inglês e era “banheiro”.
“Meus pais são imigrantes brasileiros que vieram para cá antes de eu nascer e decidiram ficar aqui mesmo sem documentação”, disse ele. “Eles não sabiam tanto sobre a escola aqui, por isso nem sempre pude procurar ajuda”.
Mas com o apoio deles e com a ajuda do corpo docente da Leominster Public Schools, ele conseguiu se matricular nas aulas de inglês e logo se tornou fluente no idioma. Isso foi muito útil na primavera em que as cartas de aceitação da faculdade foram enviadas para Sposito.
Dartmouth, Cornell, Duke, UCLA todos o queriam. Ele finalmente decidiu sobre Princeton porque eles tinham o melhor programa para estudar políticas públicas, nas Sposito planeja se formar.
Ele estava no Doyle Field, no sábado (02), do outro lado da rua da Priest Street School, onde deu seu discurso de despedida para a classe de ensino médio em Leominster.
“Ser aceito nessas escolas realmente faz você se sentir como se tivesse o potencial de fazer grandes coisas, mas também é humilhante”, disse ele. “Sua faculdade realmente mostra como o que você fez no ensino médio compensa.”
Sposito disse que está pensando em ir para a faculdade de Direito depois de Princeton, e não nega que uma carreira na política poderia esperar por ele além disso.
O diretor-adjunto Steven Dubzinski disse que Sposito havia sido considerado o favorito para ser o orador da turma há algum tempo, enquanto a corrida para ser o salutador da turma era muito mais próxima.
Essa honra foi para Gene Nartey, que disse que Harvard sempre foi a escola de seus sonhos, mas admite que escolheu entre Princeton e Brown, onde também foi aceito, porque queria estar mais perto de casa.
Nartey disse que estava em sua segunda aula de física do período há algumas semanas, quando seu telefone tocou, notificando-o sobre seu e-mail de aceitação. Ele inicialmente só viu a palavra “Harvard” na linha de assunto, mas esperou um total de quatro dias antes de abri-lo.
“Não foi apenas o meu feito”, explicou ele. “Eu queria ter certeza de que todo mundo me apoiando estava lá para que pudéssemos abri-lo juntos”.
Como seu colega de pós-graduação, a família de Nartey também imigrou para os EUA, mudando-se de Gana para Massachusetts antes dele nascer. O imigrante descreveu seus dois irmãos mais velhos, Stephanie e Jeremy, como tendo “pisado fundo” pelo seu sucesso, mas disse que eles também o inspiraram a se dedicar ao sucesso dos outros ao longo do caminho.
“Para mim, isso não era uma motivação acadêmica, era querer ter um impacto na minha comunidade e ser o irmão mais velho de alguém que não tem teve isso”, disse ele.
Isso significava acumular muitas horas de trabalho voluntário em acampamentos de verão, programas para jovens e na biblioteca.
“Ser um modelo foi algo que eu queria fazer e eu quero inspirar os outros”, disse ele. “Eu pensei, se eu me esforçar muito, então talvez outras pessoas se inspirem para fazer a mesma coisa”.
Fonte: Redação – Brazilian Times

FN