Colômbia anuncia entrada na Otan e na OCDE

Formalização deve acontecer na próxima semana em Bruxelas e Paris. O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos
AP Photo/Ronald Zak
O presidente colombiano Juan Manuel Santos anunciou o ingresso de seu país em dois importantes organismos internacionais nesta sexta-feira (25): a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a aliança militar Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).
“Sermos membros da OCDE nos permitirá fazer melhor as coisas, ver o que deu errado e o que funcionou em outros países. Com nossa entrada, melhoraremos nossas políticas públicas”, disse o mandatário no Twitter. “A entrada na Otan melhora a imagem da Colômbia e nos permite ter muito mais jogo no cenário internacional”, justificou, mais tarde, em relação ao ingresso na organização militar.
Santos irá à Europa na próxima semana para formalizar a entrada nas duas organizações. Em Paris, tratará do acesso à OCDE e, em Bruxelas, à Otan.
Initial plugin text
Otan
Em relação à Otan, Santos detalhou que a Colômbia entrará como único “sócio global” na América Latina do grupo que visa à defesa mútua dos seus membros. A organização, que inclui potências como Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha, surgiu na Guerra Fria como uma aliança militar contra o bloco comunista liderado pela União Soviética.
Initial plugin text
OCDE
Conhecido informalmente como “clube dos ricos”, a OCDE atua como uma organização para cooperação e discussão de políticas públicas e econômicas que devem guiar os países que dela fazem parte. Para entrar no acordo, é necessária a implementação de uma série de medidas econômicas liberais, como o controle inflacionário e fiscal. Em troca, o país ganha um “selo” de investimento que pode atrair investidores ao redor do globo.
Os países da OCDE concordaram nesta sexta (25) em convidar a Colômbia para se unir a seus membros, como informa a rede francesa RFI. A adesão do país será efetivada quando a Colômbia tiver aplicado, em nível nacional, as medidas necessárias para se unir à Convenção da OCDE e entregado sua solicitação de adesão às autoridades francesas, depositárias do documento.
“No âmbito de seu processo de adesão, a Colômbia se reformou profundamente para ajustar sua legislação, suas políticas e suas práticas às normas da OCDE, especialmente nos seguintes âmbitos: trabalho, reforma do sistema judicial, gestão das empresas públicas, luta contra a corrupção, intercâmbios e políticas nacionais inéditas em matéria de produtos químicos industriais e gestão dos resíduos”, indicou a OCDE em nota oficial.
Tradicional aliada dos Estados Unidos, a Colômbia se tornará, assim, o terceiro membro latino-americano a integrar a OCDE, depois de Chile e México. Outros países da região, como Brasil e Costa Rica, também apresentaram uma demanda para ingressar na instituição, que reúne as principais economias desenvolvidas.
Com a entrada da Colômbia, a organização terá 37 membros.

Ler mais

Putin nega que míssil que derrubou avião na Ucrânia fosse russo

União Europeia, Otan e EUA pedem que Rússia reconheça responsabilidade na queda do voo MH17 em 2014.  Investigador da Malásia inspeciona o local do acidente do voo MH17, perto da aldeia de Hrabove, na região de Donetsk
Maxim Zmeyev/Reuters
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou nesta sexta-feira (25) que o míssil que derrubou o voo MH17 da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia não era russo. A declaração é feita horas após Holanda e Austrália acusarem o Kremlin de envolvimento na tragédia que custou a vida de 298 pessoas, a maioria delas holandesas e australianas.
“Não, certamente não”, disse Putin durante o Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo, ao responder à pergunta do moderador do debate sobre se o míssil que derrubou o avião era russo, de acordo com a Efe.
Os governos de Holanda e Austrália responsabilizaram formalmente a Rússia de “participar” da destruição do avião depois que o grupo internacional que investiga a tragédia informou na quinta-feira que o míssil utilizado pertencia a uma unidade militar russa.
“Existem muitas versões, incluindo a versão de um míssil do Exército ucraniano, de um avião [ucraniano]. Mas não há nada [no relatório dos investigadores] que nos transmita confiança nas suas conclusões. Nem haverá sem a nossa plena participação na investigação”, ressaltou o governante, ao lamentar que os investigadores não atendam aos argumentos da Rússia.
A Equipe Conjunta de Investigação (JIT, em inglês), formada depois do desastre, revelou na quinta-feira (24) que o sistema de mísseis aéreos que derrubou o avião malaio pertencia a uma unidade militar russa, que o transferiu de Kursk (Rússia) até Donetsk (Ucrânia) um mês antes do ataque a esse território controlado por separatistas pró-Rússia.
Jennifer Hurst, comandante da polícia australiana, fala ao lado de componente de míssil Buk recuperado do local em que caiu o voo MH17 da Malaysia Airlines em 2018 na Ucrânia
AP Foto/Michael Corder
O Ministério da Defesa russo respondeu que o míssil que derrubou o avião malaio foi lançado de território controlado pelos militares ucranianos e acusou os investigadores de desprezarem os depoimentos das testemunhas do acidente.
A pasta também acusou a equipe de investigação “de basear as suas conclusões em imagens (tiradas) das redes sociais e manipuladas com recursos gráficos por computador”.
A alta representante para a Política Externa da União Europeia, Federica Mogherini, pediu nesta sexta-feira para que a Rússia assuma a responsabilidade na destruição da aeronave.
Apelo internacional
Mais cedo, os Estados Unidos pediram nesta terça-feira para que o governo russo “reconheça o seu papel” na destruição do avião da Malaysia Airlines.
“É o momento da Rússia reconhecer o seu papel na demolição do MH17 e cessar a sua monstruosa campanha de desinformação. Exigimos que a Rússia responda os pedidos legítimos de Austrália e Holanda”, declarou em comunicado a porta-voz do Departamento de Estado americano, Heather Nauert.
Em outro comunicado, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, também fez um pedido à Rússia para que “aceite a responsabilidade e coopere”. “A derrubada do MH17 foi uma tragédia mundial e os responsáveis devem prestar contas”, completou.

Ler mais