Ex-deputado do AP é condenado à prisão por receber R$ 7 mil de empregada doméstica nomeada na Câmara

Benedito Dias teria recebido indevidamente os salários da empregada doméstica, nomeada para o cargo de secretária parlamentar. Defesa nega acusações e diz que processo é vingança. Benedito Dias era deputado federal na época das acusações
Fabiana Figueiredo/G1
O médico e ex-deputado federal pelo Amapá Benedito Dias de Carvalho foi condenado pela Justiça Federal a uma pena de 4 anos, 4 meses e 15 dias de prisão em regime inicialmente fechado. A acusação é pelo desvio de R$ 7.618,28 dos cofres públicos referentes a nomeação irregular da empregada doméstica do réu no cargo de secretária parlamentar da Câmara Federal em 2006.
A defesa do ex-deputado informou que não concorda com a condenação e apresentará o recurso cabível no prazo legal. Afirma ainda que todas as acusações são inverídicas e ocorreram a partir de declarações de uma ex-assessora, que teria agido por vingança após sua exoneração.
A investigação do Ministério Público Federal (MPF) identificou que o ex-deputado nomeou a empregada no cargo público sem o consetimento dela. Até uma conta foi criada para recebimento e saque dos salários, feitos por uma assessora de Benedito, também condenada.
A empregada trabalhava à época na casa do ex-parlamentar em Macapá e relatou em depoimento que o ex-deputado a pediu que preenchesse, sem ler, formulários com a identificação da Câmara Federal. Alegou ainda que recebeu o cartão da conta dias depois, mas o deputado teria o pedido.
O recebimento indevido teria ocorrido ao longo de quatro meses, entre fevereiro e maio de 2006, com valores entre R$ 1.484,12 até R4 2.044,72. A sentença foi expedida na quinta-feira (3) pelo juiz Jucélio Fleury Neto, do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF 1).
Além da pena, o ex-deputado foi condenado e 80 dias-multa. A assessora que recebia o dinheiro na conta da empregada doméstica foi sentenciada a 5 anos, 9 meses e 15 dias também em regime fechado. Outra assessora citada no processo, foi inocentada das acusações.
Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

Ler mais

2ª Turma recebe denúncia contra deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE)

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu, na sessão desta terça-feira (8), o julgamento do Inquérito (INQ) 4118 e, por maioria de votos, recebeu denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) e o ex-executivo da Petrobras Djalma Rodrigues de Souza, pela suposta prática dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Ler mais

MPF e PF vão investigar se diretores da Refer receberam propina

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF-RJ), a Polícia Federal (PF) e a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) vão investigar se diretores do fundo de pensão da Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social (Refer), presos na operação deflagrada hoje (8), receberam propina para realizar investimentos considerados ruinosos, após a mudança na política de investimentos do fundo, em 2009.

Ler mais

Lava Jato investiga contrato de US$ 825 milhões da Petrobras

A pedido do Ministério Público Federal no Paraná (MPF-PR), foi deflagrada hoje (8) a 51ª fase da Operação Lava Jato. Chamada de Operação Deja Vu, essa fase de investigações apura crimes de corrupção e lavagem de dinheiro em um contrato de US$ 825 milhões, envolvendo a área internacional da Petrobras, para a prestação de serviços de segurança, meio ambiente e saúde.

Ler mais

Decisão de baixar caso de governador divide STJ e provoca dúvidas na PGR

Linhas tortas A decisão do ministro Luis Felipe Salomão, do STJ, de baixar à primeira instância processo do governador Ricardo Coutinho (PSB-PB) não encerrou o impasse que existe na corte sobre a restrição do foro especial e foi vista com cautela no MPF. O vice-procurador-geral, Luciano Mariz Maia, lembra que Dias Toffoli votou por também […] … Leia post completo no blog
Leia mais (05/08/2018 – 02h00)

Ler mais