Diretores publicam manifesto criticando mudanças nas matrículas da rede estadual

– Foto: Marcelo Theobald / Agência O GloboUm grupo com cerca de 60 diretores publicou na última semana uma carta aberta repudiando a política do que a Secretaria estadual de Educação (Seeduc) chama de otimização da rede. Os diretores afirmam que, a partir de 2018, eles só podem abrir uma nova turma caso o número de alunos matriculados seja a capacidade máxima da sala.
O número total de estudantes de uma turma é determinada de acordo com o tamanho da sala, mas não pode passar de 50. Nos Cieps, esse limite é, normalmente, de 45 alunos. Assim, segundo os diretores, se 60 crianças se matricularem numa escola, só 45 serão atendidas ali. As outras, serão distribuídas para outras unidades. Antes dessa regra, os diretores formariam duas turmas de 30 estudantes. A Seeduc nega e diz que abririram duas turmas de 30.
“A superlotação das turmas não é garantia de acesso à educação. Não é difícil imaginar as consequências de turmas superlotadas em uma escola : perda da qualidade de ensino e prejuízo na saúde dos professores, dois problemas graves na educação brasileira. Ou seja, as medidas impostas pela Secretaria de Educação aparentam dar acesso aos jovens, quando na verdade lhes nega o acesso à educação e agrava os problemas no ensino público.

Fonte: Extra Online

FN