Cabral diz que sua campanha contou com mais de R$ 100 milhões não declarados

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, disse hoje (7) que sua campanha em 2010 custou cerca de R$ 100 milhões a mais do que foi declarado de forma oficial. A alegação foi feita ao juiz federal Marcelo Bretas, durante interrogatório na Operação Ratatouille. Trata-se de um dos desdobramentos da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Cabral teria liderado uma organização que recebeu propina de R$ 16,7 milhões de empresas do ramo da alimentação.
De acordo com a acusação, os recursos foram pagos pelas empresas Mazan e Milano. Ambas são fornecedoras de merenda escolar e alimentação para presídios e mantinham contratos com o governo de Rio de Janeiro. Elas eram representadas pelo empresário Marco Antônio de Luca, que está preso desde junho. O ex-governador, que já soma 72 anos de prisão em condenações de primeira instância envolvendo esquemas apurados em outros três processos, nega as acusações.
Cabral afirma nunca ter pedido propina, mas reconhece ter recebido, de diversas empresas, recursos de forma não declarada para campanhas eleitorais. Ele também assume que usou parte desta verba para despesas pessoais. “Sou o único político do Brasil que está falando com essa franqueza. (…) A campanha para governador em 2010, para citar minha última eleição, deve ter girado em um valor, vou chutar um número, R$ 25 milhões.

Fonte: Agência Brasil

Comentários Facebook

FN