Diziam que éramos uma start-upizinha tupiniquim, diz fundador da 99

09/01/201802h00Paulo Veras, 45, fundador da 99, diz ter cansado de ouvir que sua empresa não tinha futuro após a Uber chegar ao Brasil, em 2014.
Sua companhia, ao contrário, concretizou na semana passada movimento que a torna emblemática para o mercado de start-ups brasileiro: foi vendida para a chinesa Didi Chuxing por valor que a coloca como o primeiro “unicórnio” brasileiro (apelido para start-ups que valem mais de US$ 1 bilhão).
Em entrevista por telefone, Veras conta que a menor quantidade de investimentos disponíveis para empresas brasileiras que competem com companhias globais foi seu maior desafio para chegar ao sucesso.
Veras diz que a 99 sofreu por ter seguido dentro das regras no momento em que a Uber chegou ao país e o serviço de corridas com motoristas particulares via apps não era regulamentado.
A companhia só lançaria o serviço 99Pop, concorrente direto da Uber, em agosto de 2016, após regulamentação da Prefeitura de São Paulo.
Sem ignorar a importância de oferecer preços baixos no segmento, Veras atribui o retorno dos passageiros ao serviço à qualidade da marca criada e à fidelidade da empresa a seus valores.

Fonte: Folha de S.Paulo

Comentários Facebook

FN